Home Diversos Elevação dos níveis de prolactina (hiperprolactinemia): causas, sintomas, diagnóstico e tratamento

Elevação dos níveis de prolactina (hiperprolactinemia): causas, sintomas, diagnóstico e tratamento

A prolactina é o hormônio responsável pela lactação, ou seja, produção de leite. É produzida pela hipófise, glândula localizada na parte debaixo do cérebro. Dá-se o nome de hiperprolactinemia ao aumento dos níveis de prolactina sangue. A hiperprolactinemia pode causar sintomas, já que a prolactina interfere na função dos ovários e dos testículos. É uma doença que pode acometer ambos os sexos, mas é mais diagnosticada em mulheres com menos de 50 anos.

Glândula hipófise

 

Quais a causas de hiperprolactinemia?

O aumento dos níveis de prolactina pode dever-se a uma série de condições. Entre elas destacam-se:

- gravidez;

- estresse;

- estimulação dos mamilos ou doenças da parede torácica;

- uso de alguns tipos de medicamento;

- hipotireoidismo;

- doença renal;

- alterações na molécula da prolactina;

- tumores de hipófise/hipotálamo.

 

Quais são os sintomas de hiperprolactinemia?

Os sintomas da hiperprolactinemia dependem do sexo e da causa. O paciente com níveis elevados de prolactina pode apresentar:

- alterações menstruais;

- diminuição da fertilidade e dificuldade em ter filhos (homens e mulheres);

- produção de leite (mulheres);

- secura vaginal e fogachos;

- falta de desejo sexual e dificuldades na ereção;

- osteoporose (homens e mulheres).

Quando o excesso de prolactina é causado por tumores, pode acontecer dor de cabeça e problemas na visão.

 

Como é feito o diagnóstico de hiperprolactinemia?

O diagnóstico é feito através da história do paciente, da dosagem da prolactina no sangue e, em alguns casos, de exames de imagem da glândula hipófise (ressonância magnética).

 

Como é feito o tratamento da hiperprolactinemia?

O tratamento depende da causa. Por exemplo: caso se diagnostique tumor de hipófise, o tratamento é realizado primeiramente com remédios (cabergolina ou bromocriptina). Em alguns casos, quando esse tratamento não é satisfatório, podem ser necessárias cirurgia ou radioterapia.

Caso você tenha algum dos sintomas acima, procure o endocrinologista para avaliação.

 

Dr. Mateus Dornelles Severo

Médico Endocrinologista

Mestre em Endocrinologia

CREMERS 30.576

www.facebook.com/drmateusendocrino

drmateusendocrino.blogspot.com.br

 

Artigos Relacionados:
Transtornos alimentares: o sucesso do tratamento depende do trabalho em equipe (1066 Acessos)
O que são os transtornos alimentares? São distúrbios na percepção corporal e no comportamento alimentar que resultam em alterações físicas...
A dieta DASH no tratamento da hipertensão arterial (1063 Acessos)
A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão...
Obesidade e Ronco: uma dupla praticamente inseparável onde a apneia do sono dificulta bastante o tratamento para emagrecer (1511 Acessos)
Nas últimas décadas, a Medicina começou a estudar o sono e como as pessoas dormem, através da polissonografia. Muitos transtornos do sono foram...
Tratamento medicamentoso do diabete mélito tipo 2: metformina, o bom e barato (1269 Acessos)
O tratamento de doenças através de chás e plantas não deve ser encorajado. Apesar de muitas plantas realmente terem um princípio ativo, é...
Avaliação dos nódulos de tireoide: o papel da punção aspirativa com agulha fina (6551 Acessos)
O que é punção aspirativa com agulha fina? A punção aspirativa com agulha fina ou PAAF é um procedimento simples no qual se introduz uma...
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar