Home Diabetes Mellitus Alisquireno: novos remédios nem sempre são a melhor alternativa

Anúncios

Alisquireno: novos remédios nem sempre são a melhor alternativa

É de conhecimento público o grande assédio que os médicos sofrem da indústria farmacêutica. Novos remédios são lançados todos os dias e, muitas vezes, mesmo sem serem suficientemente avaliados acabam sendo incorporados na prática clínica.

Entre os medicamentos anti-hipertensivos, a novidade é o alisquireno (Rasilez). Estudos preliminares de curta duração sugeriram que o alisquireno pudesse ser mais eficaz em baixar a pressão arterial que a hidroclorotiazida (diurético fornecido gratuitamente na rede Farmácia Popular) e que a associação de alisquireno com valsartana ou losartana pudesse proteger o rim de pacientes diabéticos. Eis que a especulação veio por terra...


Alisquireno

Na última terça-feira, dia 20 de dezembro, o próprio fabricante do Rasilez, o laboratório Novartis, emitiu um alerta para que o alisquireno não fosse mais administrado em combinação com remédios das seguintes classes: inibidores da ECA (captopril, enalapril, ramipril...) e ARA2 (losartana, valsartana...). Isso aconteceu após a interrupção do estudo ALTITUDE. Neste estudo, pacientes diabéticos do tipo 2 com problemas renais faziam uso de alisquireno associado a inibidores da ECA ou ARA2. O resultado?  Aumento de AVCs (derrames e isquemias), complicações renais, hipotensão e aumento dos níveis de potássio. Ao contrário do que se pensava, a associação fez mais MAL do que bem e o alisquireno precisa ser melhor estudado antes de ser usado em larga escala nas pessoas com pressão alta.

Por outro lado, na mesma semana em que o alisquireno se mostrava não tão bom quanto prometia, a clortalidona, remédio da “família” da hidroclorotiazida, mostrava-se capaz de aumentar a longevidade dos seus usuários. Segundo a revista médica JAMA, cada mês de uso de clortalidona aumenta a vida em 1 dia.

No fim, o remédio velho que custa menos de 10 reais parece ser muito melhor que o remédio novo que custa mais de 100. A cultura de que o novo e o caro são sempre melhores, mais uma vez vai pelo ralo.

Se você é diabético e hipertenso, COBRE do seu médico alternativas seguras, baratas e com eficácia comprovada. Elas existem!

 

Dr. Mateus Dornelles Severo

Médico Endocrinologista

CREMERS 30.576

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 

Artigos Relacionados:
Terapias baseadas no GLP-1: os novos tratamentos para o diabete mélito tipo 2 (1938 Acessos)
O que é GLP-1? O GLP-1 é um hormônio produzido no intestino em resposta aos nutrientes da nossa alimentação.  O GLP-1 exerce uma série de...
Qual o melhor tipo de arroz? Diferenças entre arroz branco, arroz parboilizado e arroz integral (42080 Acessos)
O arroz integral só apresenta vantagens em relação ao arroz branco. Enquanto o arroz integral tem grãos intactos, preservando assim à película...
Pressão alta no diabete mélito tipo 2: riscos à saúde e escolha do melhor tratamento (1258 Acessos)
O diabete mélito tipo 2 (que aparece mais frequentemente em adultos obesos) está frequentemente associado à hipertensão arterial sistêmica...
Novos dados sugerem que refrigerantes possam aumentar o risco de derrames ou isquemias (1323 Acessos)
Uma nova análise do estudo NHS aponta os refrigerantes, normais e de baixa caloria, como culpados mais uma vez. Os pesquisadores acompanharam...
Novos tratamentos para o diabetes mellitus: os inibidores da SGLT2 (1659 Acessos)
Recentemente aprovada nos Estados Unidos pelo FDA, uma nova classe de medicamentos para o tratamento do diabetes mellitus tipo 2 está prestes a...
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar